Na última sexta-feira, dia 17, os eventos da XII Semana da Filosofia tiveram sequência. Neste segundo dia do evento, a professora Helenice Piovezani apresentou uma palestra tratando das marcas que as mulheres deixaram ao longo da história da educação.

As transformações que as mulheres trouxeram para a Filosofia e a Educação são um dos principais temas de estudos da professora, interesse esse que surgiu ao se deparar com o pouco reconhecimento e recordação que há hoje com relação às mulheres filósofas. Helenice é voluntária em Nova Acrópole, graduada em ciências sociais e autora do livro “As Mulheres na História da Filosofia”.

Algumas indagações foram feitas: “Será que as mulheres não se interessaram pela filosofia? Não se dedicaram ao pensamento filosófico?” E ela mesma responde: “É claro que sim, mas sempre nos deparamos com uma escassez de nomes conhecidos”, afirma.

A palestra tratou de como se dava a educação das mulheres em diversos momentos históricos, como o Império Romano ou a Europa Renascentista, e também apresentou as contribuições de algumas das principais filósofas e educadoras da antiguidade até o renascimento.

Helenice falou, por exemplo, de Arignote e Damo – filósofas Pitagóricas responsáveis pelo aprofundamento da doutrina de Pitágoras, seu pai, além de estruturarem seu método de forma mais prática e aplicável cotidianamente.

Há também, entre tantos nomes, o exemplo de Rosvita de Gandersheim, educadora, dramaturga e poetisa medieval, fundadora da abadia que leva seu nome e que foi um dos raros espaços no qual mulheres tinham possibilidade de se dedicar aos estudos na época.

A estudante Bruna Nobre, participante do evento, comenta: “Gostei muito da palestra, trouxe assuntos que não são abordados com frequência. Mostrar o potencial da mulher e a forma como ela era ensinada em cada época me fez pensar em quantas coisas boas e ruins ainda temos deste passado. A palestrante concluiu de uma forma bela, lembrando-nos de que se a mulher e o homem trabalharem juntos, em harmonia, conseguiremos entrar em equilíbrio com nós mesmos e com o todo.”

 

 

©2015 Organização Internacional Nova Acrópole - Brasil