Na noite de quinta-feira, 8 de junho, na sede da Organização Nova Acrópole de São Leopoldo foi realizada uma oficina sobre ervas medicinais, com a farmacêutica Claire Abreu. Durante a atividade, que fez parte das celebrações do Dia Mundial do Meio Ambiente, Claire enfatizou que a utilização de ervas na promoção da saúde data de mais de três mil anos. Segundo ela, “na busca pelo seu bem estar, o homem utilizou as plantas, inicialmente de forma intuitiva – tocando, cheirando, mastigando – para assim identificar o que poderia curar ou não”.

Em diferentes épocas da história, médicos filósofos contribuíram de forma significativa para o desenvolvimento da cura através das plantas. Ela citou o grego Hipócrates (460 a.C – 370 a.C) –  considerado o Pai da Medicina -, o romano Galeno (130 d.C – 210 d.C) médico dos gladiadores, e o persa Avicena (980 d.C – 1037) que chegou ao óleo essencial. Na época das Cruzadas, os óleos essenciais tiveram grande importância, especialmente devido a sua duração de alguns anos, em comparação com o chá, cuja validade é de 24 horas. E, ainda, Lineu (1700 – 1778) que catalogou o sistema vegetal.

A REVALORIZAÇÃO DO VERDE

O estudo das plantas medicinais e suas aplicações na cura das pessoas fez surgir a Fitoterapia, baseada na extração do princípio ativo das plantas, através da infusão e da decocção (técnicas utilizadas na preparação dos chás, conforme a utilização das partes dos vegetais – folhas, sementes, raízes ou caule). Claire mencionou também o uso das tinturas, concentrado a base de plantas, com duração de até 5 anos.

A descoberta de que a planta pode ser dinamizada para utilização de suas propriedades energéticas para a cura e o equilíbrio fez surgir a Fitoenergética, dentro de uma visão holística de cura. Citou os Florais, sistema que trabalha a cura do indivíduo a partir dos estados emocionais.

A farmacêutica ainda observou que depois de um longo período em que a medicina baseada nas plantas foi praticamente deixada de lado em função da instantaneidade dos medicamentos em driblar a dor, houve um resgate, uma revalorização da medicina natural, concomitantemente com a redescoberta do bem estar junto ao verde.

Claire Abreu é proprietária da Farmácia de Manipulação Avicena, em São Leopoldo, onde exerce suas atividades há 18 anos.


 

 

 

 

©2015 Organização Internacional Nova Acrópole - Brasil